Talk a Bit 2022 aborda o empreendedorismo tecnológico

Conferência organizada por estudantes da Faculdade de Engenharia decorre a 15 de janeiro e tem como tema central o empreendedorismo aplicado à tecnologia.

10.ª edição da conferência Talk a Bit, organizada por estudantes do Mestrado em Engenharia Informática e Computação da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), acontece já no dia 15 de janeiro em formato exclusivamente online e vai ter como temática principal o empreendedorismo tecnológico, focando-se nas empresas e nos seus trajetos.

O programa do evento, que pretende promover a aprendizagem, discussão de ideias e socialização, conta com conversas e abordagens a diversas áreas do mundo da tecnologia, desde “Online Misinformation and Tech for Good” a “Sound for Hollywood”, incluindo ainda um debate sobre a criação de startups.

Entre a lista de oradores incluem-se nomes como os de Cipriano Sousa, CTO da Farfetch, Ruca Marques, CEO da Switch, Gilberto Loureiro, CEO da Smartex, start-up que ganhou a PITCH competition na Web Summit 2021, e Miguel Vicente, da Microsoft.

Além dos debates, a edição deste ano da Talk a Bit terá também workshops paralelos sobre “Blockchain & Smart Contracts” (por Miguel Palhas da Subvisual) e “From Code to Kubernetes” (por Ricardo Castro da Anova). Ambas as sessões têm lotação limitada de 30 participantes.

Os participantes terão ainda oportunidade de integrar o “Network a Bit”, que incentiva ao networking com as empresas, e a “Interviewing Session”, uma sessão de entrevistas com um dos patrocinadores do evento, destinada a quem submeteu o seu currículo no momento da candidatura.

As últimas edições da Talk a Bit – que decorreram em formato físico à exceção da edição de 2021 – contaram com cerca de 500 participantes.

Os bilhetes podem ser adquiridos aqui.

Por Mafalda Leite / FEUP  FOTO: DR

Alumnus da FEUP vence prémios de inovação tecnológica e transformação digital

Projeto de Roberto Vaz sobre a acessibilidade a museus para pessoas com deficiência visual foi distinguido pelo Instituto Nacional para a Reabilitação e pela APDSI.

Roberto Vazantigo estudante e bolseiro do Programa Doutoral em Media Digitais da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), foi o grande vencedor da edição deste ano do Prémio de Inovação Tecnológica Engenheiro Jaime Filipe, entregue pelo Instituto Nacional para a Reabilitação (INR). Simultaneamente, foi reconhecido com uma menção honrosa do Prémio de Transformação Digital, atribuído pela Associação para a Promoção e Desenvolvimento da Sociedade da Informação.

Em ambos os casos, os prémios remetem para o trabalho final de doutoramento de Roberto Vaz relacionado com a falta de acessibilidade nas visitas a museus para pessoas com deficiência visual – cegueira ou baixa visão. A investigação aborda o uso de tecnologias assistivas e interativas em museus, contribuindo para a melhoria do acesso intelectual, sensorial e físico (mobilidade e orientação) durante a visita.

O objetivo do investigador passou pela criação de soluções que recorrem ao digital para promover a inclusão em ambientes que tendem a ser altamente visuais, como é o caso de museus e outros espaços de exposição. “A utilização destas novas tecnologias introduz perspetivas relevantes para o setor, o que pode levar à evolução positiva de experiências de visita até para o público em geral”, esclarece.

Com o intuito de potenciar uma sociedade mais inclusiva e participativa na cultura através de tecnologias de informação e comunicação, Roberto Vaz criou a solução tecnológica “I AM Visiting: Interactive, Accessible and Multisensory Museum Visits”, que foi já implementada e testada no Museu da Farmácia do Porto, no âmbito da exposição “Mistérios da Arte de Curar: Uma experiência multissensorial por 5000 anos de história”.

Esta dinâmica permite criar oportunidades de visitas espontâneas que garantem o acesso intelectual e experiências sensoriais em qualquer momento, contrariamente às habituais visitas organizadas com agendamento prévio em contexto de associações ou escolas para este público-alvo.

Recentemente, o alumnus da Faculdade de Engenharia aceitou o convite da Casa Comum da Universidade do Porto para o desenvolvimento da exposição acessível e interativa “José Rodrigues, o Guardador do Sol”, juntamente com os seus orientadores do Programa Doutoral: Diamantino Freitas e António Coelho, professores da FEUP. Uma experiência de entrada gratuita para tatear, ouvir e ver até 30 de dezembro de 2021, nas galerias da Casa Comum.

Sobre os prémios

Prémio de Inovação Tecnológica Engenheiro Jaime Filipe é uma iniciativa do Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P., que visa distinguir trabalhos que se destaquem pela sua inovação tecnológica e que contribuam ao mesmo tempo para a melhoria da qualidade de vida das pessoas com deficiência.

Já a 1.ª edição do Prémio de Transformação Digital foi promovida pela Associação para a Promoção e Desenvolvimento da Sociedade da Informação (APDSI), por ocasião dos seus 20 anos de existência, e pela ORACLE.

Tem como objetivo reconhecer e divulgar as melhores práticas de adoção e implementação das tecnologias de informação e comunicação (TIC), com vista a uma sociedade mais digital, sustentada por instituições públicas e privadas, mais eficiente e mais próxima do cidadão.

Por Mafalda Leite / FEUP   FOTO: DR

Alumna da FEUP propõe narrativas interativas como terapia para o Alzheimer

Projeto de Maria João Alves recomenda alguns princípios orientadores para que narrativas interativas funcionem como um elemento terapêutico para pessoas portadoras da doença.

Transformar narrativas interativas em terapia cognitiva para doentes de Alzheimer. É este o mote da dissertação de Maria João Alvesantiga estudante do Mestrado em Multimédia da Faculdade de Engenharia da U.Porto (FEUP), que aborda princípios orientadores para a criação de narrativas interativas com potencial para auxiliar os portadores da doença “a recuperar as suas histórias”.

O objetivo destas narrativas passa pela estimulação da cognição, memórias e orientação do paciente, procurando entender quais as memórias mais significativas a longo prazo. “Para evitar frustração e captar atenção é preciso conectar com estes doentes e perceber o que eles gostam e quais as suas aptidões para interagir com estas tecnologias.”, explica Maria João.

Segundo a alumna da FEUP, as narrativas interativas implicam uma história não-linear, com a qual um utilizador pode interagir e influenciar o rumo da mesma. Podem ser ferramentas interativas simples, onde o utilizador vai tomando decisões por uma personagem (de entre um conjunto de opções disponíveis), ou ferramentas mais complexas, utilizando tecnologia avançada e inteligência artificial para que a história se molde às decisões do utilizador.

“A construção de uma ferramenta com valor terapêutico implica não só o conhecimento sobre a doença e a tecnologia em separado, mas também a compreensão de como introduzi-la a este tipo específico de utilizadores que tem, na maioria das vezes, tanto a idade como défices cognitivos a interferir com a utilização de novas tecnologias.”, avança.

Com o intuito de otimizar o processo de escolha e criação de narrativas interativas a serem utilizadas por instituições e/ou investigadores no estudo e implementação do apoio terapêutico, Maria João Alves definiu um conjunto de princípios orientadores a partir de relatos de cuidadores e enfermeiros das áreas clínicas do Alzheimer e demências.

Após a recolha da informação mais relevante, a organização dos princípios foi delineada em três grandes vertentes – o doente, o cuidador e a ferramenta – que deverão ser aplicadas tendo em conta o contexto, a evolução da doença e as particularidades do paciente.

Este tipo de abordagem terapêutica é mais indicado para doentes em fases iniciais da doença, correspondendo a um estado leve a moderado da patologia. “O entendimento do cuidador sobre estas ferramentas também é importante, sendo que a presença de um acompanhante, o próprio cuidador ou um técnico especializado é aconselhada para um aproveitamento completo das potencialidades desta terapia.”, alerta a autora.

Já o processo de construção da narrativa interativa deverá ter em consideração o contexto geográfico e sociocultural do doente, ainda que existam áreas como a família, profissões e emoções que apresentam uma relevância generalizada. “Imaginemos que um portador da doença teve como primeira profissão a distribuição de pão. Uma narrativa interativa poderia implicar uma viagem por localidades em que já tenha trabalhado, recorrendo a música da época e a diálogos que incluam ditados populares.”, exemplifica Maria João.

A aplicação da ferramenta na estimulação cognitiva implica que o doente não se limite a apenas observar o desenrolar da história, interagindo a cada passo e sentindo que tem poder de decisão. As ações tomadas por ele, a par de diversas técnicas de multimédia que contribuem para a construção da narrativa, acabam por implicar treino cognitivo, incitando o contínuo exercício de memória.

O impacto da experiência pessoal na investigação

Mas há mais história para contar. A avó paterna de Maria João, também ela portadora da doença num estado já avançado, foi a grande razão pela qual a alumna decidiu estudar e compreender melhor a temática, encontrando soluções para um problema que tanto lhe dizia.

Para a autora, a decisão de avançar com o projeto surgiu da conjugação de dois grandes fatores: por um lado, o presenciar da evolução repentina da doença da sua familiar e, por outro, a sua paixão por ler, ouvir e contar histórias.

“Foi precisamente o roubo incontornável das suas histórias que me fez querer usar narrativas para tentar combater, nem que seja por momentos, o inevitável. Infelizmente, o estado da doença da minha avó não permite atrasar a progressão, mas talvez este trabalho motive outras pessoas a tentar ajudar outros doentes.”, conclui a antiga estudante do mestrado em Multimédia.

Por Mafalda Leite / FEUP   FOTO: DR

FEUP desenvolve estudo sobre a atenção audiovisual dos espectadores

Projeto recorreu à aplicação de tecnologia de localização da íris para desenvolver novas estratégias de sound design.

Identificar e estudar os fatores que contribuem para a atenção audiovisual dos espectadores. É este o propósito da atividade desenvolvida por três investigadores da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), no âmbito do projeto CHIC – Cooperative Holistic View on Internet and Content, um consórcio a nível nacional entre várias entidades ligadas à área dos media e da tecnologia.

Em parceria com o Centro de Computação Gráfica, através dos investigadores Emanuel Sousa e Frederico Pereira, e o INESC TEC, Inês SalselasRui Penha e Gilberto Bernardes recorreram à aplicação de uma tecnologia de localização da íris com o intuito de identificar pontos de interesse em representações visuais animadas e com múltiplas e diferentes condições de áudio, potenciando o desenvolvimento de novas estratégias de sound design.

“A questão que se colocou no decorrer da investigação prende-se com a cross-perception, influências e vieses na perceção audiovisual e na forma como a atenção é formadora da consciência humana”, avança Inês Salselas, antiga docente e investigadora da FEUP, instituição onde também concluiu a licenciatura em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores.

Foi neste contexto de narrativas não lineares e audiovisuais que decorreu um estudo experimental que pudesse influenciar a atenção dos espectadores e amplificar a projeção e visibilidade de eventos audiovisuais.

Através da criação de novas abordagens de interação, como sincronismo de som e imagem, o projeto utilizou o áudio como âncora para afinar o foco visual de atenção do utilizador, algo que se torna difícil em ambientes com vídeos 360º e realidade virtual.

Os resultados do estudo, que originou um artigo científico publicado na revista Personal and Ubiquitous Computing, têm impacto direto no desenvolvimento de plataformas imersivas e, consequentemente, sobre estratégias a usar no sound design.

O objetivo é “conduzir, intencionalmente e de uma forma subliminar, um espectador para uma determinada narrativa, num ambiente não linear e imersivo”, como propõe Gilberto Bernardes, professor no Departamento de Engenharia Informática e doutorado em Media Digitais pela FEUP.

Dos desafios colocados pela equipa de investigadores ressalta uma verdade clara: a importância da coerência entre modalidades sensoriais e a correspondência emocional, aspetos estes críticos na implementação de estratégias bem-sucedidas de sound design.

22.07.21  Por Mafalda Leite / FEUP   FOTO: DR

XVIII Jornadas de Ciência da Informação

As XVIII Jornadas de Ciência da Informação vão ter lugar no próximo dia 17 de maio, das 9h00 às 18h00, através da plataforma Zoom sob o mote ‘Ciência da Informação na era da Inteligência Artificial’, sendo dedicadas aos últimos 20 anos do curso de Ciências da Informação em Portugal.
Esta iniciativa, já com várias edições, constitui-se como um evento de referência na comunidade científica e entre os profissionais da área, tendo vindo a propiciar anualmente uma oportunidade para que participantes e convidados, oriundos do tecido empresarial, de instituições públicas e do meio académico, interajam e debatam temas da atualidade no âmbito da Informação e da sua gestão. Promove ainda, simultaneamente, a divulgação externa das competências dos licenciados e dos mestres em Ciência da Informação.
Este é um evento anual organizado pelos alunos e professores da Licenciatura e Mestrado em Ciência da Informação da Universidade do Porto.
Inscrições até 16 de maio aqui

Para mais informações relativas ao evento, acompanhe as redes sociais das Jornadas:
Facebook    |    Instagram    |    Linkedin

FEUP cria plataforma de apoio à decisão da ASAE baseada em inteligência artificial

O Centro Inteligente de Gestão e Controlo Operacional (CIGESCOP) deve estar operacional em 2022 e vai permitir uma resposta mais eficiente e eficaz por parte da ASAE

Laboratório de Inteligência Artificial e Ciência de Computadores (LIACC) na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) está a desenvolver uma plataforma de análise e classificação de reclamações e seleção de agentes económicos a serem inspecionados pela Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE).

Designado Centro Inteligente de Gestão e Controlo Operacional (CIGESCOP), o projeto baseia-se nos resultados preliminares do projeto IASAE – Inteligência Artificial na Seguração Alimentar e Económica, concluído em 2020. Este novo projeto vai permitir – já a partir de 2022 – uma resposta mais eficiente e eficaz, reforçando a capacidade inspetiva da ASAE. A garantia foi dada por Luís Paulo Reis, diretor do LIACC, na reunião de apresentação do projeto no passado dia 7 de maio, na Faculdade de Engenharia.

Mais informação

Estudante da FEUP quer museus mais acessíveis para pessoas com deficiência visual

Roberto Vaz, finalista do Programa Doutoral em Media Digitais da #FEUP, venceu o “International Award for Excellence for The Inclusive Museum Research Network” 2020 pelo seu artigo sobre a falta de acessibilidade a museus para pessoas cegas e com baixa visão.
A sua investigação vai ser posta em prática na exposição “Mistérios da Arte de Curar: Uma experiência multissensorial por 5000 anos de história” no Museu da Farmácia do Porto, já no próximo dia 5 de abril. ????????️???? #proud2beFEUP

RDA Technical Advisory Board: João Rocha da Silva

João Rocha da Silva, que recentemente enveredou por uma carreira na indústria, foi eleito para o Technical Advisory Board da Research Data Alliance (RDA)
O João fez o doutoramento no InfoLab do DEI na FEUP em 2016 e depois disso deu continuidade a uma linha de investigação em Gestão de Dados de Investigação, com orientações de mestrado, publicações, desenvolvimento de ferramentas e muito envolvimento internacional.
https://rd-alliance.org/group/rda-portugal/post/elei%C3%A7%C3%A3o-2020-para-o-technical-advisory-board-da-rda-parab%C3%A9ns-ao-jo%C3%A3o-rocha

Estudantes da FEUP vencem prémio do Festival Semibreve

Mariana Vilanova e Francisco Oliveira, ambos estudantes do Mestrado em Multimédia, foram distinguidos por instalação para o Mosteiro de Tibães, em Braga.

Festival Semibreve, evento de música eletrónica e arte digital, acaba de premiar a instalação artística Hiato, de Mariana Vilanova e Francisco Oliveira, dois estudantes do Mestrado em Multimédia da Faculdade de Engenharia da U.Porto (FEUP).

Mais informações

Prémios do Núcleo de Estudantes do IEEE da Universidade do Porto

Recentemente o NuIEEE recebeu as distinções:
– IEEE Regional Exemplary Student Branch Award 2020
– O PES foi distinguido como o 4º melhor Chapter PES da R8
– 2º lugar do Website na R8, que também foi mencionado na publicação que foi feita sobre os prémios e a Menção Honrosa a nível Mundial